Da periferia aos grandes centros urbanos, a violência doméstica e familiar é democrática. Não importa o perfil: nada impede que ela chegue às casas de milhões de brasileiras. Em pesquisa do DataSenado deste ano, 71% das entrevistadas afirmaram conhecer alguma mulher que foi agredida por um homem próximo – em 2015, esse número era de 56%.

Exemplo de mulher que vivenciou a violência doméstica, a farmacêutica cearense Maria da Penha deixou de ser parte da estatística  e entrou nos livros de história, tendo deixado um legado no combate a esse tipo de abuso. Depois de anos em busca de justiça, ela conseguiu fazer com que a luta contra o abuso fosse reconhecida e recebeu uma lei em sua homenagem: a lei 11.340/06, popularmente batizada com seu nome. 

Para conhecer parte da história desta mulher, fundamental para a discussão sobre a violência doméstica no Brasil, ouça o podcast:

Esta reportagem foi realizada pelas alunas Carolina Moraes Martins de Barros, Giuliana Saringer e Juliana da Cunha Costa Santos para o Trabalho de Conclusão do Curso de Jornalismo da Faculdade Cásper Líbero, sob orientação do Prof. Jorge Roberto Tarquini.